Uma noite na Casa Abandonada – 3º Capítulo

«-Não faças barulho. – Diz António.

Estava uma chave no chão. António levantou-se e foi tentar trancar a porta. E conseguiu. A chave era daquela porta.

Os homens pararam no corredor a conversar.

-Não achas que exageraste?

-Com o quê?

-Com os outros dois. Eram nossos amigos.

-Amigos!? Eles iam contar tudo à polícia.

-Talvez os conseguíssemos convencer a não contar nada.

-Agora não há nada a fazer.

Clara e António olham-se e voltam-se a abraçar.

Que estariam aqueles homens a fazer naquela casa? Seria um local de encontro? Qual seria o plano deles?

-Desta vez é o quê?- Pergunta um dos homens.

-O mesmo da última vez.

-O patrão nunca mais chega.

-Deve estar a embarcar as crianças.

-Vamos lá para baixo.

Os homens desceram e Clara soltou uma lágrima e António deu-lhe um beijo na testa.

-Vai correr tudo bem.- Sussurrou António

-António, eu quero sair daqui. – Disse soluçando.

-Calma. Eu vou tirar-te daqui. Prometo!

António levantou-se e foi em direção à porta.

-Que estás a fazer António?

-Vou tirar-te daqui. Fica aqui.

-António…

-Vai correr tudo bem.- Diz António.

Ouve-se um carro a chegar. Clara levanta-se e vai até à janela.

-António entra!- Diz Clara correndo até à porta.

-Que se passa?

-O patrão chegou.

-Ainda estão ali todos.- Diz António

-Quem?- Pergunta Clara espreitando.

-Os da nossa turma. Olha eles alí escondidos.

-Eles são doidos.

Os dois homens foram embora e só ficou o chefe. Seria esta a melhor oportunidade para ele fugirem?

O chefe olhou para a janela e Clara e António baixaram-se, mas ele viu-os.

-Anda Clara! Rápido!- Disse António puxando Clara pela mão.

António e Clara chegaram à sala e o homem estava a espalhar gasolina para pegar fogo à casa.

-Vós não devias estar aqui. -Disse o homem a António e Clara.

-Por favor, não faça isso.- Pediu Clara enquanto o homem acendia o isqueiro.

-Lamento.- Disse o homem com alguma troça.

-Deixe-a sair, por favor.- Pedia António.

-Nem pensar, mas vou poupar-vos algum sofrimento.- Disse o homem pegando numa arma.

Clara e António estavam um pouco afastados, por isso, o homem apontou a arma para Clara que estava muito assustada.

António tivera prometido a Clara que não deixaria que nada de mal lhe acontecesse, por isso, começou a lutar com o homem que deixou cair o isqueiro.

A casa começou a arder.

-António para.- Gritava Clara.

De repente ouviu-se um tiro.»

O que estão a achar? Deixem os vossos comentários. Gostam deste tipo de post de escrita? Contem-me nos comentários se querem mais ❤

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s