«… tem que ser real… Não pode ser partida, nem mais um teste»

«O que tivemos foram apenas alguns segundos. Apenas isso – nada mais – nos foi cedido pelo destino, ou então por Deus ou pelo Diabo, mas eu sei que o vi. Ele tem que ser real… Não pode ser partida nem mais um teste – TEM QUE SER REAL. Não tinha olhos azuis, nem cabelosContinue a ler “«… tem que ser real… Não pode ser partida, nem mais um teste»”